quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Livro de Receitas do Davi

Ontem recebemos o portfólio da escola de Davi:

Um livro de receitas, todas testadas e ilustradas pelo filhote e coleguinhas do Grupo 3!

Dois livros com os trabalhos de arte,

Um álbum com a linha do tempo de Davi

O livro das atividades em classe!

Davi está tão empolgado que por estes dias os trabalhos ficarão na mesinha do orgulhoso estudante!

Fica o clic do livro de receitas.  Volto depois com novidades!

domingo, 8 de dezembro de 2013

Casa do Papai Noel com os coleguinhas

 
 
Hoje foi dia de Davi visitar a Casa do Papai Noel que desde o ano passado é montada aqui na rua. Bem, no Natal passado achei que o filhote não aproveitaria e não fomos, mas neste ano, valeu! Fomos Eu e Davi, Max e Lilian, e acabamos encontrando a Regi e o Rafa, e virou um programa das três mamães com os seus filhotes!
 
 
Muito bom ver a integração dos três, que se conhecem desde um aninho, da escolinha, e se dão muito bem...Faltou o Henrique nesta foto, outro bagunceiro da turminha, por desencontro não nos vimos por lá....
 
Após o passeio, que teve direito a fantoche, teatro, uma visita à casa do Papai Noel, sentar no trenó, cineminha, o trio acabou vindo aqui para casa e foi muito divertido.... Brincaram, lancharam, se divertiram... Pena que foi rápido, pois estavam cansados os filhos e as mamães, mas outros passeis virão!!!!!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

O adeus à mamadeira

Davi, hoje com três anos e oito meses, teve a amamentação materna sua principal fonte de leite por dois anos e quatro meses. Seis meses de leite materno exclusivo e em livre demanda, depois complementando a introdução alimentar.

Após um ano e meio, o leitinho ficou restrito à hora do soninho e a momentos de aconchego, quando estava doentinho, cansado, com medo... A decisão de parar de mamar à noite foi tomada em conjunto comigo. Conversei com ele que já era um meninão, que comia tudo, e que estava acordando à noite para mamar mas que a mamãe não tinha muito leite.

A desculpa dada por mim foi bem aceita, uma vez que ele acordava para amamentar, ficava irritado e acabávamos por fazer uma mamadeira. Enfim, paramos com a amamentação e ele ficou com a mamadeira da noite para dormir. Por uma dois meses eram duas e logo depois ficou sendo uma única mamadeira.

Tentamos no início dar com alguma farinha industrializadas, os famosos mingaus, mas o filhote não aceitou bem e ficou mesmo foi com o leite puro. Nos últimos quatro meses, a mamadeira era facilmente esquecida em situações como uma saída, em viagem ou uma festa. Há dez dias, num belo sábado (23/11), quando o pai fez a mamadeira e estávamos seguindo a rotina do soninho ele foi bem enfático: - "Não quero mamadeira ! Não sou mais neném! Mamadeira faz fazer xixi na cama!"

O moleque estava decidido. Até chegamos a oferecer, nos últimos dias um copo de leite, mas ele não aceita. A opção agora é por um copo de iogurte antes de dormir, já que a janta, ainda na escolinha, é bem cedo, por volta das 18h.


E assim, após dois anos e quatro meses de amamentação materna e outros dois anos de mamadeira para dormir (ou na época no meio da noite para complementar o mamá), o filhote finalmente desmamou, e passa para um próximo estágio...

Muito gratificante acompanhar esta descoberta.....
 

Você trabalhou um pouquinho?

Sabe aquela fase do "por que?",  na qual os pequenos procuram saber cada detalhe do que está acontecendo? , em que buscam compreender as causas e efeitos.
Estamos nesta deliciosa fase de aprendizado e descobertas.
Davi, de vez em quando, manifesta sua insatisfação quando eu vou pro trabalho, argumenta que devo ficar com ele, que não é mais meu amigo!
Sempre respondo que precisamos trabalhar para pagar as contas, comprar comida, brinquedos, pagar a escola, etc. 
Como também tem demonstrado suas predileções, a vontade de ir na banca de revistas, explorar as várias opções de títulos infantis, é verbalizada constantemente.
Outro dia, voltávamos da escola e o filhote sai com esta: - "Você trabalhou um pouquinho hoje?"
Respondi prontamente que sim e retruquei: - "Porque meu filho?" E ele: - "Porque se você trabalhou um pouquinho já tem um pouquinho de dinheiro para comprar revista!"
Não resisti ao argumentos e estacionamos na banca...